Skip to main content

onironauta

© Rui Palma

Sinopse

Eles são sete, como os dias da criação. Sete bailarinos ou encarnações físicas de um onirismo sob controlo. Sete corpos saídos dos limbos amargos de um sono desperto, dirigido e condicionado. O de seu demiurgo, igualmente em cena, Tânia Carvalho, ao piano.

A luz é chamada “dia” e as trevas “noite”.

Onironauta é o nome desta peça. Um nome emprestado a esses viajantes capazes de controlar os seus sonhos, de moldar, para eles sozinhos, um mundo de imagens e de sentidos.

Tânia Carvalho é uma de entre eles. Criadora que nos convida, espectadores da sua viagem lúcida. Clarividente. Espectadores desses pedaços de sonho por vezes sombrios como o são os de uma coreógrafa que procura há muito forçar a saída dos seus pesadelos. Para torcer o pescoço às trevas. Para estrangular o real e as partidas que o seu espírito lhe prega.

Tânia Carvalho cria pinturas comoventes, arrepiantes, que batem como alguns sonhos perturbadores dos quais se sai confuso e a tremer. Sempre inspirada. Acordada.

Original Quentin Dusser, tradução de Maria de Lurdes Guerra

Ficha Artística e Técnica

Categorias:

coreografia, direção: Tânia Carvalho
assistente de ensaios: Luís Guerra
músicos: André Santos, Tânia Carvalho
bailarinos: Bruno Senune, Catarina Carvalho, Cláudio Vieira, Filipe Baracho, Luís Guerra, Marta Cerqueira, Nina Botkay
música: Frédéric Chopin, Tânia Carvalho
desenho de luz: Anatol Waschke, Tânia Carvalho
figurinos: Cláudio Vieira, Tânia Carvalho
sapatilhas: Só Dança Vegan Line
direção técnica: Anatol Waschke
técnico de som: Juan Mesquita
produção: agência 25
produção executiva: João Guimarães (até 2020), Vítor Alves Brotas administração: Janine Lages
coordenação de comunicação: Maria João Bilro
residências artísticas: Centro Criação de Candoso – Centro Cultural Vila Flor, CSC Garage Nardini – Bassano del Grappa, KLAP Maison Pour la Danse, O Espaço do Tempo
coprodução: Centro Cultural Vila Flor, Culturgest, KLAP Maison Pour la Danse, Teatro Municipal do Porto Rivoli – Campo Alegre, Théâtre de la Ville – Paris
apoio financeiro: Fundação Calouste Gulbenkian
apoio: Com Calma – Espaço Cultural, Vítor Pires – Transportes de Pianos, Loja das Maquetas
patrocínio: Só Dança
agradecimentos: Academia de Bailado de Guimarães